Pages

sábado, 1 de novembro de 2008

O tempo corria



A felicidade tinha dia e hora marcada

O tempo era o meu pior inimigo

Ele teimava em passar

Eu te amava pela manhã

Te amava ao luar

E o tempo corria, me fazendo lembrar que o que eu tinha recebido

Tinha data e hora pra terminar

Eu experimentava seu gosto

Sentia seu cheiro

Ouvia seu som

E o tempo corria...

Ele teimava em passar com as horas que eu percorria teu corpo

Eu me prendia em você, querendo ficar, querendo ir... Sem querer te deixar

O tempo gemia com a noite

O meu soluço abafado, a saudade antecipada

O teu abraço do qual eu já sentia falta

E o teu sorriso me levava a calma

Paralisava meus sentidos

E o tempo corria...

Uma espécie de inquietação me dominou

Suas mãos me apertavam com firmeza

Você me abraçava, me acolhia em seu peito

Eu me doei, te recebi

Mas o tempo correu

Nossa hora chegou

E o que restou?

S-A-U-D-A-D-E!

Um comentário:

Arthur Matos disse...

"O poeta tem esse dom...
De fazer as pessoas viverem suas palavras com todo o sentimento
Mais só toca a pessoa que ele quer?
Não...
Toca todos que lêem suas palavras..."

schneider