Pages

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Eu me rendo

Estou jogando a toalha, você venceu, eu me rendo! Não quero mais lutar, lutar sem as forças que já perdi pelo caminho, longo caminho, e eu trilhei sem você. Não quero mais fugir, ter medo de me olhar no espelho, evitando o seu reflexo. Não vou dizer que não sinto saudades, que não penso em você antes de dormir. Não vou negar que procuro seus passos por onde ando, que fico aflita esperando, esperando já sabendo que não vens, não, você não vem.
Eu jogo a toalha, porque nesse jogo eu perdi. Perdi você, eu sei. Não, não me fale do seu novo amor, eu não quero ouvir, não quero saber. Não me fale da sua vida, não me fale de você, de você depois de mim, de você sem mim. Eu não quero ouvir, não fale!
Eu jogo a toalha, cansei de lutar, eu me rendo... E mesmo você não querendo, mesmo você não amando, ainda sim, vou te amar.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Por que não ser um homossexual


Hoje recebi um e-mail com dez argumentos contra a homossexualidade, tão logo, resolvi publicar aqui no Balaio. A autoria do texto é desconhecida.



1. Ser homossexual não é natural e, portanto, deve ser rejeitado. Assim como as pessoas rejeitam outras coisas não naturais, como óculos, ar condicionado, automóvel, etc..


2. Casamentos gays incentivam pessoas heterossexuais a virarem gays, assim como o casamento entre pessoas altas incentiva as pessoas a serem mais altas.


3. Legalizar o casamento gay vai incentivar as pessoas a fazerem coisas absurdas, como se casar com animais de estimação, já que animais têm todos os direitos e deveres legais e conseguem assinar sua certidão de casamento.


4. Casamento heterossexual é uma tradição muito antiga e imutável, assim como outras "tradições imutáveis como a escravidão, a proibição de divórcio ou a clitoridectomia."


5. Casamento gay iria destruir a santidade do casamento heterossexual. A santidade do casamento de 55 horas de Britney Spears com Jason Alexander tem que ser protegida.


6. Casamentos heterossexuais são permitidos porque produzem filhos, por isso casamentos gays, casamentos com pessoas inférteis, casamentos entre idosos e casamentos entre pessoas que não querem ter filhos são inválidos. É necessário que todos os casais tenham filhos porque os orfanatos estão vazios e não existem crianças em nenhum lugar do mundo que precisem de uma família.


7. Pais gays só irão criar filhos gays, assim como pais heterossexuais só criam filhos heterossexuais.


8. Casamentos gays vão contra os princípios de algumas religiões, e, como vivemos em uma teocracia, algumas religiões devem ser impostas a todos que pensam de outra forma.


9. Crianças não podem ser criadas sem um modelo masculino e feminino. É por isso que somente pessoas moralmente superiores têm filhos. E é por isso que pais solteiros são proibidos.


10. Casamentos gays vão mudar as raízes da sociedade de forma tão drástica que não vamos conseguir nos adaptar. Acontecerão furacões e tornados e terremotos, a pele de todos irá derreter.



E como sou uma pessoa muito católica, eu diria que ser homossexual é pecado. Eu juro, o Papa Bento que falou! ¬¬


Me polpe!!!

Não existem mais comemorações

Feliz aniversário eu diria hoje. Parabéns minha Vida, mais um mês de amor, estaria escrito numa mensagem de celular, num cartãozinho, no espelho do banheiro, na fronha do travesseiro. Hoje não existe mais eu e você, o calendário se entristeceu, o abraço esperado não veio, não existem comemorações.
Não quero lágrimas, mas também não tenho risos, as nossas gargalhadas. Não quero saudades, mas também não nos tenho de volta, não nos vejo aqui, eu nem nos vejo mais. Não quero viver de um passado que ainda me dói lembrar, que ainda me faz sangrar. Não quero viver de você, de um amor que não mais existe, de uma história que não nos pertence, que jogamos fora. Não, eu não joguei. Eu guardei nossos dias, seu nome, sua feição, o que tivemos de melhor. Mas hoje, não teremos comemorações!
Eu deveria chorar por hoje, mas não tenho lágrimas. Eu deveria não te querer hoje, mas não tenho forças.

E hoje, não existem mais comemorações...

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Nos desejos da minha carne



Sou mulher. Sou mulher e tenho desejos, desejos carnais, sexuais, orais... O corpo ferve na loucura de ser saciado, mas não sem antes explodir de prazer, não sem fervilhar de tesão, colidir de orgasmos.
Dançar a dança que atrai o outro, o sorriso mais safado – tarado.
Os gemidinhos ao pé do ouvido, comer e ser comido... Isso é bom!

Nos desejos da minha carne pareço louca, uma fêmea sem pudores.
Quero sentir meu sexo molhado, transbordante, transbordando... Inundando meu lençol, nossa cama, seu corpo.

Eu quero ser possuída por você, hoje, agora.

Depois da balada, fiquei bêbada e errada




Ai ai...


Energias repostas,venho eu aqui registrar a minha noite de sábado. Há dias que venho reclamando de um tédio que estava me consumindo, uma falta do que fazer, enfim. Pois bem, ontem à noite eu fui a um barzinho com uns amigos.
Beber, dançar, jogar conversa fora, e claro, ouvir a Jaina Elne cantando. Deus do céu, como ela canta bem!!! Adoro de paixão a voz dela, muitoooooooooo mesmo!


Por um momento eu quase fiquei triste, logo quando ouvi “Diga sim pra mim” (Isabella Taviani), pelo simples fato de ter sido a última música que me foi oferecida no relacionamento passado, mas eu não estava ali pra ficar deprimida por qualquer que fosse o motivo, né? Foi só um momento, e passou rapidinho!


Genteeeee, nunca bebi tanto na minha vida...rs Se eu dancei? Dancei DEMAIS!!! Depois que comecei, o difícil foi parar. Não posso esquecer da minha parceira de dança, Janine meu amor, a gente arrasou, né? \o/ \o/ \o/
Dançamos tão gostoso, que o povo acha que somos casal, tudo bem, essa galera tem mesmo a mente muito poluída.
E nos importamos com isso??? Claro que não. Dançamos ainda mais, pra alegria da maioria...rs É ou não é? =D

Fiquei bêbada...hahahahaha
Não me queiram ver bêbada, eu sou muito errada!

*rindo muito ao lembrar das “putarias”

Depois de beber tanto, de ter ficado de graça... Tomei uma decisão muito importante...


NÃO VOU MAIS BEBER...


Por hoje.

=)

Amanhã é outro dia, e tudo recomeça outra vez... Graças a Deus!



Explicação da imagem: Nos pegaram dançando. Só não dizer qual era a música que estava tocando na hora...rs

sábado, 24 de janeiro de 2009

Das palavras que me faltam



Eu queria as palavras, onde encontra-las? Quero cobrir-me dos versos mais singelos. Passear nos encontros consonantais e vocálicos de mim, de ti. Preciso de rima, concordâncias, parágrafos, vírgulas e pontos. Quero as palavras saindo de mim, procurando por ti. Minha pena descrevendo teu corpo, teus seios, teu cheiro, teus gemidos – acabam comigo. Letra por letra, quero frases intermináveis. Construções parnasianas, românticas, líricas. As palavras, sim, me libertam! Libertam-me de mim, adoro perder-me nas reticências. Estacionar no ponto, no ponto de doar-te o que saí de mim. Os versos, as linhas... De nada seriam se não fosse por ti que as escrevesse.
Toma. Aceita. Recebe o que tem de melhor em mim. As palavras e a ausência delas, aceita!

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Nem Flor, nem Pétala



Veio com o vento e com ele também se foi
Num sopro de alegria, iluminastes o meu ser
Pequeno, frágil, cansado...
Te doei as palavras
Me deste o teu perfume
Perfume de flor, uma pétala sobre mim.

E fui despetalando os pensamentos
Te buscando a todo momento
E já não tinha flor, nem pétalas
Sangrei o dedo no espinho do esquecimento
Flor, eu tinha amor para te regar
Mas o vento veio, ele te levou...
Para nunca mais voltar.

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Lembranças que ferem



O que faço se já não posso mais seguir? Já não lembro nem sei aonde ir... Me perdi de mim, quando me vi em você, e agora me sinto tão só. Sem você tudo perde a graça e o sentido de existir. Os dias amor, são tormentos de minh´alma. As lembranças me ferem o peito, o faz sangrar, e sangro lentamente por você. É tudo tão pesado sem os seus braços, sem os seus beijos. Tantos anos, e agora você me quis deixar assim – sozinha.


Como não sofrer? Como não chorar? Como não gritar? Como não pedir para voltar? Te espero aflita na janela, sinto seu cheiro ao longe, e você não me vem. Você passa, assim como os dias, e as noites que me entristecem.


Já não me acompanhas nos lugares aonde vou, não te encontro em meus lençóis – no meu suor. A minha boca está esquecendo o teu sabor. Quando foi a última vez que nos beijamos? Você não lembra. E eu não posso esquecer, não quero esquecer aquele beijo, aquele gosto – gostoso.


Lembro de você aqui, suas mãos nos meus cabelos, no meu rosto, passeando no meu corpo, me buscando, me desejando...
Me dizem que sou louca por te amar assim, por te querer assim, assim como és. Mas o que faço eu? Se me encontrei nas curvas que desenham teu corpo, nas entradas e saídas de você. Eles não te vêem. Eu te vi, eu pude sentir você, entregue – inteira.


Eu tento não chorar ao lembrar de nós, eu tento não querer você de volta, eu tento não sofrer. E por tentar, te amo mais, te quero mais, nos quero infinitamente mais.

segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

Indicação de leitura



Quem aqui gosta de ler? E quem já leu “A menina que roubava livros”? Aproveitando aqui o espaço, deixo a indicação para quem é um apaixonado, assim como eu, por boas leituras.


O livro é narrado pela morte e conta a história de Liesel Meminger, uma garota que viveu na Alemanha nazista. Ao longo da vida, Liesel encontrou sua narradora por diversas vezes, e... (...) Leiam o livro pessoal!!!

Frase de efeito para mim:



“Eu amava as palavras e as odiava. Espero tê-las usado da maneira correta.” ( Liesel Meminger)


Informações:


Livro: A menina que roubava livros
Autor: Markus Suzak
Editora: Intrínseca


quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

Sentença - IV

Pensamento do dia: Ser surpreendida de vez em quando é bom, principalmente de coisas boas, de pessoas ótimas. =D

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Pele morena



Falar da tua pele morena é tentar pintar o céu na palma da mão. É buscar adjetivos, concordâncias, pontos, reticências, exclamações, e ainda sim, findar. Tua pele morena, não se descreve, se sente. Veneno, que vai embriagando, exalando desejo em cada poro, espalhando tesão no colchão, na minha mão. Libere seu veneno, eu quero ser possuída por ele. Quero provar cada gole – envenenar-me de você.
Pele morena, sabor de pecado. Pecado de te possuir assim, livre, infinitamente... E me abre as portas, para qu´eu te encontre um pouco mais, me perca um pouco menos.
Teu riso, luz perfeitamente sincronizada. E me chamas calma assim, linda assim, o que faço eu a não ser ir? Ir, sem nem querer voltar, querendo me perder a cada instante nesse teu infinito – singular.

sábado, 10 de janeiro de 2009

Esse tédio que não sai de mim



Estou visivelmente entediada esses dias. Essa monotonia de uma semana já está por me deixar exausta e sem paciência. Ir dormir quando o galo começa a cantar, acordar religiosamente ás 13hrs, assistir Mulheres apaixonadas, almoçar, tomar banho, ler alguns capítulos de A menina que roubava livros, conversar com minha mãe, assistir A favorita, em seguida, ver Maysa, ler mais um pouco enquanto tento me conectar na internet, varar mais uma madrugada adentro, ler um pouco mais e voltar a dormir. E isso tem se repetido constantemente, e nada muda, absolutamente, NADA.


Pelo amor de Deus, eu não sou de ferro. Sair sozinha? Não, ainda tenho orgulho o suficiente e me recuso a sair sozinha. Há dias estou com vontade de ir ao cinema, vejam só vocês, me falta companhia. Não vou ficar feito uma louca mendigando companhia de alguém que se compadeça da minha situação. Como não frequento cinema sozinha (também), fico em casa amargurando minhas horas. Talvez um dia em experimente essa tal experiência, mas por agora, isso me parece pouco provável.


O que me sobra é o meu livro, meu computador e minha mente insana. O primeiro daqui a um pouco vai me deixar, tenho lido um pouco rápido demais (acho), na verdade, ás vezes leio menos do que sinto vontade, só por não querer ficar sem a história depois qu´eu terminar de conhecê-la. Meio louco isso, mas é a pura verdade. Meu computador, meu amigo e companheiro. Faço do meu teclado a minha pena, os pensamentos me vêem tão rápidos que acabo perdendo muita coisa boa se ficar presa na caneta, ao menos com o teclado consigo ser um pouco mais rápida, mas só um pouco. Agilidade nunca foi o meu forte, e na verdade, nunca será. Lenta, porém, precisa. Ui!


Confesso, por toda essa semana senti vontade de me embriagar, não de palavras, pois delas me embriago todos os dias, mas de álcool mesmo. Estou tentando me freia, manter o controle da situação, se deixar, acabo bebendo todos os dias. É apenas uma tentativa absurda de fugir de uma realidade, que para mim, é problemática. Estou complexa e chata, absurdamente insuportável. No mais, eu tenho que me aguentar!


Talvez tenha chegado o momento de virar cigana...rs Eu deveria mesmo, sair por aí, “sem eira nem beira”, com a minha mochila nas costas, vagando pra qualquer lugar e pra lugar nenhum, do jeitinho que eu imaginava quando era criança. Loucura, loucura... No fundo eu sei que nunca faria isso. Acho que nem mesmo algo que se aproximasse disso.


O que me resta é ficar por aqui, me aguentando, me suportando... Nossa! Minhas férias estão muito interessantes! ¬¬ Eu não deveria dizer isso, mas essa vida sem compromissos não para mim. Infelizmente me acostumei a gostar de ter obrigações. E a única obrigação que me restou no meio disso tudo, é a de me manter viva em meio ao tédio.


Gente, eu quero sair, visitar casas novas, pessoas novas. Tá bom, vou dizer a verdade, quero ser beijada, abraçada, quero sentir alguém me tocando, alguém que me faça relembrar que ainda estou viva e que o mundo não se resume em mim. Estou carente? Não, ainda não. Estou com saudades! =/ Ás vezes me acho idiota por isso, e no momento estou me sentindo uma. Enfim, nada de lamentações, não agora.

Bom, bom... Acho que já chega por hoje!

Vou ver se consigo alguma coisa interessante pra fazer...

Pergunta do dia:
Alguém já morreu de tédio???


Ouvindo: Eu mesma cantando Vá pensiero (primeira música que aprendi a cantar em italiano)

Foi numa noite

Foi numa noite em que tudo parecia não fugir da normalidade, a normalidade que me cansa, que satura minha paciência. Tudo era tédio, tudo era vão. E você me veio, calma como o vento, suave como a brisa noturna, penetrante como um veneno, veneno do qual eu queria ser fisgada, possuída. Eram delicadas as palavras que me doavas, os encantos com que buscavas encantar a mim e ao meu coração descrente – carente.
Tão serena foste chegando, ficando, procurando por um espaço que a muito te esperava... Entra, fica, se deleite de mim, em mim.

Tão flor, tão pétala.. tão... (...)

quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

Um livro e um alguém

Vejo alguém com um livro na mão, vejo alguém devorando páginas e páginas em busca de si mesma, alguém que não se encontra por mais páginas que leia. Alguém que se vai a cada palavra. A leitura transporta, prende, preenche, enriquece...
Alguém soletra as palavras do velho livro, alguém vê outra história na página em que lê. Essa o final não é alegre, não existem rainhas, nem reis. Existe um coração despedaçado, fatiado em mil pedaços, em mil palavras. É um livro, mas as emoções vão surgindo como se fossem um filme, a concentração vai embora, um outro cenário toma conta do lugar. Alguém não lê mais a história do livro, e sim a história pessoal que queria contar. A história de um jovem coração apaixonado que de tanto amar morreu. De um coração que pulsou por alguém, que se doou, se entregou. Um coração que foi brutalmente amordaçado, ferido, calado. Esse mesmo coração ainda sangra, vai manchando as páginas cansadas do livro, vai lavando as lembranças, arrastando-as com fervor.
Alguém com um livro na mão e um coração no chão – é isso que vejo.

terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Hoje eu te vejo

Isso é o máximo que você consegue? Talvez eu nem precise dizer olhando nos seus olhos o quanto eu lamento por tudo isso. Lamento por você ter se tornado essa carne podre, da qual, sinto o mau cheiro ao longe, da qual, recuso-me a qualquer tipo de aproximação.
Meus amigos me avisaram, meu pai, teu irmão... A vizinhança, era testemunha da tua constante traição. Eu não vi nada, eu não queria saber nada. Preferia acreditar em você, nas mentiras que me contava. E me embalei nos mesmos braços que tantas outras embalavas.
Hoje eu te vejo, consigo ver tua carne, teu odor, a ausência do teu caráter, o que te sobra de mais infame. Nada era sentimento em você, nada era verdade. Não caia jamais, não tropece... Mas entenda, nem tudo é reta, numa dessas esquinas a vida te acerta, te cobra com juros tudo que dela roubaste.
Você brincando com os sonhos de alguém, zombando dos afetos, não tendo medo do retorno. Tudo volta, três vezes mais – volta. É a lei, está escrito. Por isso que eu digo, não caia jamais. Se a vida te acerta, você dará mil passos para trás.
Sua carne é tão podre. Desculpe, sinto nojo!

segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

2009 chegou!

Depois de um recesso muito mais que merecido, eis que, retorno ao meu querido e companheiro blog com os últimos fatos que me ocorreu.

Sem dúvidas, o ano de 2008 foi fechado com chave de ouro. Finalmente, depois de uma correria dos diabos pra fechar o meu TCC (o que daria um post completo), tivemos o êxito esperado. Alguns “tombos” pelo meio do caminho, mas no fim, tudo deu certo e fomos aprovados. \o/ Sim, agora já sou... como é que dizem mesmo? É... humm... Jornalista (grande coisa...rs) =D

O Natal foi só pra comemorar a minha aprovação, minha mãe de fato, estava eufórica. O mérito era todo dela, logo, comemorei pela vitória tão pessoal, que só as pessoas mais chegadas conhecem.
As últimas duas semanas foram muito mais que especiais. SEM COMENTÁRIOS!!!


2009 começou bem, espero que continue assim, repleto de boas vibrações.
Dopo, volto e posto coisas mais interessantes...rs

Ouvindo: Aviões do forró (testando o cd para próxima festa)