Pages

segunda-feira, 30 de março de 2009

Chuva de letras


Quando elas nada disserem, quando não falarem mais sobre mim, sobre os meus sentimentos ou até a falta deles, aí sim estarei perdida.
Quando minhas palavras não puderem me definir, me transparecer, me esclarecer... Já não terão mais sentido, nem mais virão.
Enquanto isso, chuva de letras... Por vezes desconexas, enlouquecidas, saudosas, furiosas, tristes, alegres, emocionadas, apaixonadas... Sempre tão cheias, tão cheias de mim. Eu que me faço delas, elas que se fazem de mim. Eu que vivo por elas, elas que ganham vidas por mim, de mim...
Fiel companheira, pedaço vivo da minha carne, transfere para eles os sentimentos que não me cabem.


sábado, 28 de março de 2009

Escorrendo sentimentos

São palavras sentimentalizadas que saem por entre os dedos, que escorre dos meus olhos, olhos que não te vêem mais...

Estou com saudades, estou com receio, estou... Não vou! Não vou ao teu encontro, não vens me buscar. O peito me aperta querendo sangrar, as mãos vazias por não te alcançar...

Em que estação? Qual o portão? Me diz o vagão, saguão... Que eu devo esperar!
Vem com o vento, não passe com o tempo, não o deixe apagar... Apagar seus carinhos, suas marcas em mim, não querida, não me deixe assim.

quinta-feira, 26 de março de 2009

Pós-viagem


Espírito renovado! Os dez dias em São Paulo serviram para me deixar mais aliviada comigo mesma. E a partir disso, tomei uma decisão extremamente importante: NÃO QUERO MAIS FICAR NO RECIFE!

Agora vou batalhar pra tentar sair daqui, nunca morri de amores por essa cidade, e isso não é segredo pra ninguém. Sempre tive vontade de sair, mas algumas coisas me prendiam aqui... Faculdade, um coração apaixonado... Vínculos cortados me sinto livre o suficiente para fazer o que acho melhor pra mim.

O friozinho da cidade estava uma delícia, e foi algo que me deixou surpresa todo o tempo. Recife é um inferninho sempre, e eu não suporto calor, chegar lá e ficar naquele ar gostoso... Literalmente no paraíso! Quem me conhece sabe do que estou falando.

Lá pode fazer o calor que for no verão, mas aqui é sempre verão meu, não dá.
E... Metrópole é metrópole!
Pontos positivos e negativos existem em todo lugar, até aqui em Recife, mas... Tô saindo fora!

Ah... Isso é só um pequeno passo, a idéia mesmo é sair do Brasil... Quem sabe um dia hein? =D

*Eu estava com saudades de postar no meu blog...rs

segunda-feira, 16 de março de 2009

22 primaveras


Mais um ano, mais um aniversário... 22 primaveras! Não sei o motivo, mas eu sempre achei essa idade bonitinha, vai ver que é pelos “dois patinhos na lagoa”(hehehe).


A verdade é que lembrei agora pouco o quanto eu ficava imaginando como seria os meus 22 anos, a comemoração, o que eu estaria fazendo, o que já teria conseguido na minha vida. Enfim... Mas o que eu desejo pra mim mesma é que eu continue firme, mesmo enfrentando milhões de obstáculos, qu´eu nunca ouse pensar que não sou capaz.


Saúde, dinheiro (tô precisando demais..rs), muitas poesias, meu coração tranqüilo ... Desejo tudo isso e um pouco mais!

=)

quinta-feira, 12 de março de 2009

De malas prontas

Depois de tanto reclamar da monotonia que se tornou minha vida, da igualdade irritante dos meus dias, finalmente, chegou o dia da minha viagem. Viva!
Dez dias não é muita coisa, aliás, quanto melhor for, mais rápido vai ser o dia de voltar. ¬¬
De qualquer forma, ainda bem que chegou!

São Paulo... Aí vou eu!

terça-feira, 10 de março de 2009

Sorriso.


...O que você vê em mim é um sorriso quase triste de uma felicidade infeliz...

quinta-feira, 5 de março de 2009

Falou em palhaçada a igreja aparece


O caso da menina de nove anos, que engravidou de gêmeo após sofrer inúmeros estupros pelo próprio padrasto, ganhou repercussão nacional. E há três dias seguidos, sempre na hora do almoço vejo passar no jornal alguma novidade sobre o caso. A imprensa adora isso! ¬¬ E sabe-se lá até quando vão ficar sugando do acontecido até a última gota de audiência.


O Ministério Público autorizou que fosse realizado na menina um aborto, já que a gravidez foi fruto de estupro, ainda mais por ela ter apenas nove anos de idade, sem a mínima estrutura física e psicológica para ter dois bebês. E se a gravidez seguisse em frente, poderia comprometer a vida da garota. Então, foi realizado ontem em um hospital no Recife, os procedimentos para que os fetos fossem expelidos.


A igreja católica, como não pode ficar fora do circo, resolveu dá o ar de sua graça. Entrou com uma ação para que o aborto não fosse realizado, alegando que isso seria um crime. É crime fazer um aborto numa CRIANÇA que foi abusada pelo padrasto, é um crime que a vida dessa CRIANÇA seja poupada de mais sofrimento, é um crime que essa CRIANÇA desfrute dos direitos que lhes são concedidos por lei, é exatamente isso que acha o nobre dom José Cardoso Sobrinho, arcebispo de Olinda e Recife.


E como se não bastasse todo o esforço para que o aborto não fosse concretizado, o arcebispo agora resolveu excomungar todos os que participaram do ato.
É pra rir, né? Só pode ser! A igreja católica, que assassinou milhões de pessoas na Santa Inquisição, tudo em nome de Deus, agora resolveu excomungar os envolvidos nesse fato lamentável por estarem atentando contra a vida, logo, contra Deus.
E eu fico me matando de rir quando vejo uma palhaçada dessas. Ainda mais por vim da igreja que têm a história mais suja que minhas calças.

É lamentável o que aconteceu a essa criança, ainda mais por não ser a primeira, e infelizmente não será a última. É lamentável a posição da igreja, que insiste em ser retrograda. É lamentável viver num país onde os pedófilos agem de maneira assustadora, e que a igreja tão “certinha” abriga milhões deles.
E a punição quando vem nunca é suficiente, nunca será.

Sim, é lamentável!

quarta-feira, 4 de março de 2009

Abraço.



Estou contando os dias pra pular nos teus braços
E me perder em teus abraços

segunda-feira, 2 de março de 2009

Minha paixão proibida


Mais uma vez, estou perdendo. Mais uma paixão que estou vendo me escapar pelos dedos. Sei que ela estará sempre ali, mas dificilmente poderei tocá-la outra vez. Não como eu gostaria.
Eu estava relutante em ir a médico, mas... Um dia a gente tem que ir né? Ano passado eu machuquei o joelho esquerdo no treinamento. Consequentemente, tive que me afastar dos tatames. Veio toda a correria com o projeto, o final de um relacionamento, e o joelho lá doendo, pedindo socorro, mas existiam outras prioridades, e ele ia ficando (lascado).


No começo de janeiro, atendendo a pedidos, eu finalmente fui fazer uma radiografia. Bom, o resultado deu: normal! ¬¬
Eu precisava voltar ao meu médico e mostrar os exames pra ele, mas não foi isso que eu fiz, afinal, estava escrito no papel que estava tudo normal. Minha mãe marcou consulta, e eu cheguei na porta e voltei pra casa. Motivo? Eu tinha passado à noite inteira acordada e estava morrendo de sono. Mainha é puta com isso! Rs


E foi passando, passando... Eu pensando em voltar pro Judô, mas o joelho ainda doendo. Aproveitando que minha mãe teria que ir ao médico hoje, ela mesma se encarregou de me levar junto, segundo ela, eu teria que mostrar os exames ao médico de todo jeito, mesmo que lá estivesse dizendo que estava tudo normal – ela estava certa. Lá fui eu, saí de casa num dia de chuva, doida pra ficar um pouco mais na cama, mas dessa vez eu teria que ir.
Entro na sala, mostro a radiografia e:

- Hummm... Temos um encurtamento aqui... E outro aqui...
- Como assim Dr.? Aí está dizendo que está tudo normal.
-Normal para o radiologista que avaliou, normal porque não tem nenhum cisto ou tumor, mas a sua cartilagem está se encurtando, por isso, as dores.
- Ah não! Era só o que me faltava Dr.!
-Então mocinha, você vai perder um pouco de peso para ajudar no tratamento, vai fazer fisioterapia, depois vai para o ortopedista, e... (...)
- E o Judô? Não poderei mais fazer? Não Dr, o meu Judô!!!
-Infelizmente não vai mais fazer, e nada de correr ou qualquer coisa que force o seu joelho. Caminhar pode, nadar seria bom. Mas, nada de Judô.
-Hunrum. Tudo bem =/

Judô, uma paixão tão latente. Tivemos dias ótimos, era o que me fazia levantar da cama nos dias mais desanimados. Foi o que me levou a fazer meu TCC. Foi o responsável pela única medalha que recebi na vida. Foi de prata, me deixando como vice-campeã pernambucana, mas essa medalha tem um significado todo especial pra mim. Era a minha superação ali, superação de alguém que nunca se deu bem nos esportes quando criança, de alguém que nunca havia dado uma cambalhota antes. E só eu sei o quanto foi difícil aprender os rolamentos...rs Se não fosse a voz do meu Sensei me mandando continuar, eu não teria conseguido.


Angélica, eu não queria te culpar, mas... Sua filha da mãe!!! Você lascou meu joelho numa imprudência, numa entrada mal feita. Você limitou o meu envolvimento com o Judô, e agora... Você nem treina mais! ¬¬ Não por não poder, como eu, mas por opção sua.

*Sentindo uma faísca de raiva

E com isso, vai-se também o desejo de entrar nas forças armadas. Com o joelho condenado desse jeito, o que eu poderia fazer??? Talvez as dores sejam superadas com o tratamento, mas o joelho nunca será o mesmo. =/
Ko-soto-gake, nunca mais esquecerei o golpe que me levou ao chão.

E mais uma vez... Vejo uma paixão indo embora. Mais uma vez, um desejo que nunca mais poderá ser realizado... EsaEX, nem pensar!

Mas, a vida continua... Go!