Pages

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Você me dói, Juddy




Juddy, você prometeu que não me deixaria, que estaria sempre comigo quando eu precisasse. Hoje eu olho o céu e já não vejo mais seu brilho. E você me queima e sinto saudades. Muitas saudades.

Já não saímos mais juntos. Não tenho suas mãos enroscadas nas minhas. Nossas conversas Juddy, são apenas lembranças. Já nem ouço mais a sua voz. E me sinto só. Tão só. Meu peito todo se contrai ao lembrar os seus carinhos, seus cabelos perfumando meu dia. E agora esse gosto me amargando na boca, o gosto do esquecimento. Do seu esquecimento. Dói. Você me dói, Juddy.
Já quis te ligar tantas vezes, mas sempre desisto antes da chamada ser completada. No dia que tive coragem, você não me atendeu. Não viu? Ou simplesmente não quis?

O ultimo abraço Juddy, ainda o sinto em mim. O seu olhar de quem dizia que tudo ia ficar bem. Pra quem? Olha só como estou aqui. Jogado e só.
Em que plano fiquei na sua vida? No passado? Foram só promessas suas, que o vento teima em jogar pra longe. E você não me vem Juddy. E isso dói.

Te escrevo na tentativa de aliviar esse peso aqui dentro.


Seu,


Shan.

sábado, 28 de novembro de 2009

Brilhou arco-íris


Ela estava cansada de ser só, não queria mais sonhar contos de fadas, fantasiar amores impossíveis.
Eis que um dia ela resolveu abrir as janelas de si e viver.
Nesse dia o sol brilhou arco-íris e tudo fez mais sentido.
E a moça sorriu - enfim.

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Ama?!

"Eu te amo porque você é a escolhida"

Era o que tinha escrito no bilhete que encontrei no meio das minhas coisas...
Lembranças
e
só!

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Carta a um amor distante - I


Amor, hoje amanheci pensando em ti. Durante a madrugada inteira te senti comigo e as saudades só fizeram aumentar. Lembrar dos nossos momentos, dos teus sorrisos, por vezes isso também me dói. Dói por não poder alcançar-te, por não saber se também pensas em mim – assim.

Acolhi-me em meus lençóis, mas outrora eram os teus braços quem me davam abrigo. Algumas lágrimas insistiram em molhar-me a face, enquanto por dentro inundo-me de ti, como o processo mais natural que possa existir.

Sinto saudades do teu cheiro. Podes me mandar ele num potinho? Não é perfume amor, é o cheiro da tua pele - única. Se conseguir, manda-me o mais depressa possível, sim?! Para que em noites assim eu te sinta mais perto de mim.



Beijo-te saudosamente,



Rosinha.

24.11.09

domingo, 22 de novembro de 2009

Dança


Prendeu-lhe em seus braços e com um beijo louco a deixou sem ar. Levou-a para cama e juntos começaram a dançar.

Dança do amor, do desejo, do tesão, da loucura e da paixão.

Dançaram...
Dançaram...
E juntos, sentiram-se flutuar!

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Tuas marcas em mim



No meu corpo, tuas marcas
Na minha mão tuas digitais
Na minha voz, o teu tom
Nos meus lábios o teu gosto
No meu seio, tua saliva
No meu sexo, tua língua penetrante
Em mim, infinitamente... VOCÊ!!!

domingo, 15 de novembro de 2009

Sorriso - I



De vez em quando você me faz sorrir assim...
F.e.l.i.z.

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

A cada gole




Eu bebo mais um gole desse álcool, e você não me vem. Seguro esse copo, e seu corpo me foge, tuas mãos se escondem, e eu te procuro, não te encontro, volto a beber. Não quero a lucidez, quero teu beijo me tirando o fôlego, tuas pernas se misturando com as minhas, teu suor derretendo na minha pele.
Estou quente, o álcool começa a fazer efeito, é defeito. Você me deixou e eu já nem me encontro e tanto faz quantos goles eu beba, essa falta de você não muda, não te afogo no meu copo, te resgato a cada gole, a cada garrafa encostada ao chão.
Fiquei entregue na noite, acabou a festa, ninguém me estendeu a mão. Chamei por você, você não me veio, perdi o freio, desci pela contramão. Estacionei junto a tua janela, pude ver o reflexo dela nas tuas paredes, você a beijava, a possuía, e eu me ia como um vulto na confusão dos pensamentos, das sensações sentidas. Eu precisava beber, beber pra esquecer, esquecer de você. Esquecer que te amo, esquecer de pensar nessa falta que você me faz, nesse vazio que não se preenche por mais goles que eu beba. Espera, me encontra na esquina, só mais uma palavra, um último abraço, só mais um adeus.
A cada gole você parece mais longe, mais inacessível. A cada gole eu fico mais só, mais perdida dentro de mim. A cada gole eu percebo que você não me vem, não importa o que eu faça, você não vem. E eu volto a beber, só mais um gole.

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Calor!



Céus...
Que calor!
Dá logo uma dor na cabeça,
vem um mau humor.
Por favor, não me chamem
pra sair no sol.

C.A.L.O.R.  DO   C.A.R.A.L.H.O!

domingo, 8 de novembro de 2009

Narrativa interrompida



Mais um livro que eu termino de ler, uma história a mais registrada em mim, a história do outro, dos outros. E a nossa? A nossa não se transformou em livro, bem no meio da narrativa mataram os personagens, me mataram, te matei. A tinta escorreu por entre o papel manchando toda e qualquer lembrança.
Eu quero um lápis, ou melhor, uma caneta para que seja mais difícil apagar, preciso reescrever a história de nós, de mim. Fiquei perdida naquelas páginas inacabadas, manchadas – esquecida.
Já não te encontro sentada em meu sofá, me esperando para mais uma leitura ao fim da tarde. Não te leio mais, já nem sei decifrar tuas mensagens subliminares, a tua ausência de palavras.

Meu vocabulário se perdeu nas tuas pernas, nas tuas mãos, no nosso jeito louco de amar. Perdi minha interrogação no teu beijo, exclamei no teu peito, e agora eu preciso continuar escrevendo, escrevendo de mim, sobre você, de você, sem mim.
Eu quero sentir emoções para continuar a escrever, tudo bem, a falta delas também me fazem querer. Querer transpor a cena no papel, a frieza que bloqueia a tinta da minha caneta, que fazem minhas linhas tortas. Me traga uma nova caneta, a minha não me serve mais, está falhando. Falhando como eu, como você. E eu preciso terminar esse livro, nem que seja para explicar ao meu leitor como tudo terminou. Contar como morri, como te matei.

Por favor, me traga a caneta, eu quero sentar e escrever.

sábado, 7 de novembro de 2009

Mais selinhos

Mais uma rodada de selos... ^^


Esse selo eu ganhei da Luna. Muito obrigada pela indicação, mas na verdade, seu blog é que não saí da minha cabeça. Gosto muito!

Regras:
1- Postar o selo.
2- Linkar quem te ofereceu o selo.
3- Indicar dez blogs que não saem da sua cabeça
4- Avisá-los que receberam o selo.
5- Listar dez coisas que não saem da sua cabeça.
 
Indicações:
 
Cansei de inventar
Lixo de textos
Meu sonhar
Dezessete e poucos anos
Feche a porta, mude o disco, limpe  a casa
Horizonte Lílás
Segredos da Anitha
O livro dos dias dois
Esboços e cores
Palavras...Apenas momentos
Recém-Poetas
 
Dez coisas que não saem da minha cabeça: escrever/ minhas leituras/ meu blog/ música/ pipos de mostarda/ viajar/ trabalhar/ receber o abraço tão esperado/ ir morar num lugar frio/ o show da Bethânia que eu não vou ¬¬´ (porra!) 
 
Mais uma selinho que veio da Luna. Toda fofa. Hein! ^^ (quem não conhece o blog dela, vá conferir, mas cuidado: vicia!) =D
 

 
regras:

1- Exibir a imagem do selo que acabou de ganhar
2- Postar o nome do blog que te presenteou
3- Indicar 10 blogs
4- Avisar os indicados e publicar as regras
5- Conferir se os blogs indicados cumpriram as regras.
 
 
E como regras foram feitas para serem quebradas...rs  Já que eu tô meio viciada em ler o blog de todo mundo que eu sigo, então pessoas, sintam-se à vontade pra vim aqui e levar o selo. =)
 
✿~~✿~~✿~~✿~~✿~~✿~~✿~~✿~~✿~~✿~~✿
 
 


Depois de mais de um ano de blog, eu resolvi criar o primeiro selo do BaLaio. Aliás, eu fiz o selinho pensando no blog da Má (que é um mimo).   
 
Regrinha bem básica é indicar três blog´s que te emociona. Muitos blog´s aqui em um dado momento me arrancaram suspiros, lágrimas, calaram minha voz... Mas por agora, começo indicando:
 
 
Espero que gostem!
 =*
 
ps:. Céus! Como dá trabalho postar selos...rs

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

O Ela que sou Eu

 Ela ainda sonha com você.
Ela por vezes se pega imaginando como seria passear pelas belíssimas ruas de Veneza ao seu lado.
Ela se questiona porquê tudo ficou assim.
Ela se sente culpada, mas acredita que você também foi.
Ela tem noites mal dormidas, você tem?
Ela enxerga um futuro a dois bem longe daqui
Ela já pensou em voltar, mas teve medo...
Ela sentiu rancor. Gritou, chorou...!
Ela rir lembrando dos bons momentos
Ela fica se perguntando se ao ouvir “aquela” música oferecida, você ainda sorrir por dentro
Ela tem a certeza que seus braços é o lugar mais protegido e aquecido do mundo
Ela fica doente, mas só você sabe cuidar como ninguém
Ela tem novos planos e queria tanto que você soubesse de todos eles
Ela deve a você uma parcela significativa do seu sucesso
Ela fica imaginando se você ainda freqüenta os mesmos lugares, se tem as mesmas manias, as mesmas amizades...
Ela ainda acredita que existe amor, ele está dormindo agora?!? Só você sabe que não morreu, sentimentos assim são para sempre.
Ela pode não prestar pros outros, mas você sabe o jeito ÚNICO que só ela tem para te fazer feliz
Ela se esquece dela pensando em você.

Março de 2006

# Esse texto nunca fez tanto sentido como agora. Era o prenúncio do vazio. Ás vezes isso acontece. =/

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Sentença - VIII



É doce se contradizer por amor.


#você que quando digo que não amo é porque estou amando mais.

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Dó(i) menor



Está tocando Chico. No meu peito, algo se contrai, se contorce. Na minha memória suas lembranças me vêm como num filme. O vazio toma conta do lugar, de mim. Acendo um cigarro, e abro as janelas do quarto. Observo atentamente o desenho que a fumaça forma no ar. Ela desenha uma palavra, faço um esforço tentando decifrar. Tudo se dissipa, e eu, não consigo entender a mensagem subliminar. Será que era um recado seu? Ou seria meu pensamento dançando no ar?


Chico canta solidão, ele parece me adivinhar as emoções. Enquanto isso, tento queimar o seu nome na ponta do meu cigarro. Tudo em vão. Você me invade a cada respiração. E o desejo me arde às narinas, os pulmões.

Mais uma batucada, um acorde no meu violão. Dó(i) menor, por favor. Vou tocar você como letra da minha canção.
Dó(r) maior, meu amor. É te cantar em solidão.

                                                                                                                           ♫
"Preciso não dormir
até se consumar
o tempo da gente.
Preciso conduzir
um tempo de te amar,
te amando devagar
 e urgentemente".

domingo, 1 de novembro de 2009

Selo da Exemplaridade

Recebi esse selinho da Lua, obrigada flor! ( já estava devendo postar ele aqui...rs)
Regra: Indicar para 5 blogs, dizendo porque eles são exemplares.


Indicação:  Menino-homem / O Livro dos Dias Dois / baila comigo? / Poucos dotes / Alma nua


 
Esse vem com um meme para responder coisas que eu gostava quando era criança:



Um brinquedo: Boneca


Um desenho animado: Muppet babies


Um programa ou novela: Chaves/Carrossel


Um cantor: ¬¬ Quando eu cresci descobri que a Xuxa não era cantora..rs


Um doce: Chiclete ploc


* Acho que agora não falta postar mais nenhum selinho...Ufa!  Só um feriadão mesmo pra colocar "ordem" na casa...rs

Selo-Meme



Recebi este selo-Meme da
Obrigada linda!



Lá vai as regrinhas e a brincadeira:



1- Seguir as regras.



2- Levar o selo 5 revelaçõe que identifica
quem está, esteve ou estará na brincadeira.



3- Completar as seguintes frases:



a) Eu já ………….
b) Eu nunca …….
c) Eu sei …………
d) Eu quero …….
e) Eu sonho …….



4- Depois de completar suas respostas
indique 5 blogueiras ou blogueiros
para dar sequência a brincadeira.



a) Eu já pedi perdão sem ter “errado”
b) Eu nunca deixei de chorar quando tive vontade
c) Eu sei que o mundo dá voltas e que tudo pode acontecer
d) Eu quero ter dinheiro suficiente $.$ (hehehehe)
e) Eu sonho com minha casa no campo