Pages

sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Retrospectiva 2010

Mais um ano que está chegando ao final, daqui a algumas horas 2010 será apenas lembranças. De qualquer sorte, não posso dizer que foi um ano ruim. Pelo contrário, um ano mais que especial.

  • Logo no inicio do ano foi a operação da minha mãe, que graças a Deus está bem agora.
  • Reencontrei pessoas queridas.
  • Consegui um emprego, que pode não ser o melhor, mas é o que sustenta uma parte dos meus gastos.
  • Vivenciei momentos que ficarão para sempre gravados na minha memória.
  • Fiz novas amizades, e conservei as antigas.
  • Amei os 365 dias do ano.
  • Fui muito amada e pude sentir isso verdadeiramente.
  • Assisti bons filmes.
  • Fiz leituras interessantes. Não tanto quanto gostaria, mas o que meu tempo me permitiu.
  • Fui num show muito esplêndido da Jaina Elne lá no Manhattan.
  • Aprendi a jogar Buraco (rs)
  • C-A-S-E-I. Isso mesmo, literalmente casei. E a quem interessar saber, estou muito feliz assim.

É claro que essas são algumas das muitas coisas interessantes que me aconteceu nesse ano. Nem que eu quisesse daria pra citar tudo.

Espero que 2011 seja  um ano de muitas realizações, não só pra mim, mas para todas as pessoas de bom coração. Desejo muita paz, saúde, harmonia, dinheiro no bolso...!!!

 * Amor, que no próximo ano possamos nos unir ainda mais. Obrigada por essa parceria tão carinhosa e especial. Te amo!

FELIZ...FELIZ ANO NOVO!!!

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Dança

Sonhei que estávamos dançando, e a música que nos embalava era o som do nosso amor.

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

O que dói

Não sei o que dói mais. Essa dor de dente, ou o vazio em que você me deixou.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Calem a boca, Nordestinos!


Recebi hoje no meu e-mail esse texto que segue. Achei interessante colocar aqui. Eu, mais uma nordestina, me senti totalmente ofendida pelas declarações nada inteligentes da Mayara. E infelizmente ela não é a única que pensa assim. Pena!
Por José Barbosa Junior
A eleição de Dilma Rousseff trouxe à tona, entre muitas outras coisas, o que há de pior no Brasil em relação aos preconceitos. Sejam eles religiosos, partidários, regionais, foram lançados à luz de maneira violenta, sádica e contraditória.
Já escrevi sobre os preconceitos religiosos em outros textos e a cada dia me envergonho mais do povo que se diz evangélico (do qual faço parte) e dos pilantras profissionais de púlpito, como Silas Malafaia, Renê Terra Nova e outros, que se venderam de forma absurda aos seus candidatos. E que fique bem claro: não os cito por terem apoiado o Serra… outros pastores se venderam vergonhosamente para apoiarem a candidata petista. A luta pelo poder ainda é a maior no meio do baixo-evangelicismo brasileiro.
Mas o que me motivou a escrever este texto foi a celeuma causada na internet, que extrapolou a rede mundial de computadores, pelas declarações da paulista, estudante de Direito, Mayara Petruso, alavancada por uma declaração no twitter: “Nordestino não é gente. Faça um favor a SP, mate um nordestino afogado!”.
Infelizmente, Mayara não foi a única. Vários outros “brasileiros” também passaram a agredir os nordestinos, revoltados com o resultado final das eleições, que elegeu a primeira mulher presidentE ou presidentA (sim, fui corrigido por muitos e convencido pelos “amigos” Houaiss e Aurélio) do nosso país.
E fiquei a pensar nas verdades ditas por estes jovens, tão emocionados em suas declarações contra os nordestinos. Eles têm razão!
Os nordestinos devem ficar quietos! Cale a boca, povo do Nordeste! Que coisas boas vocês têm pra oferecer ao resto do país?
Ou vocês pensam que são os bons só porque deram à literatura brasileira nomes como o do alagoano Graciliano Ramos, dos paraibanos José Lins do Rego e Ariano Suassuna, dos pernambucanos João Cabral de Melo Neto e Manuel Bandeira, ou então dos cearenses José de Alencar e a maravilhosa Rachel de Queiroz?
Só porque o Maranhão nos deu Gonçalves Dias, Aluisio Azevedo, Arthur Azevedo, Ferreira Gullar, José Louzeiro e Josué Montello, e o Ceará nos presenteou com José de Alencar e Patativa do Assaré e a Bahia em seus encantos nos deu como herança Jorge Amado, vocês pensam que podem tudo?
Isso sem falar no humor brasileiro, de quem sugamos de vocês os talentos do genial  Chico Anysio, do eterno trapalhão Renato Aragão, de Tom Cavalcante e até mesmo do palhaço Tiririca, que foi eleito o deputado federal mais votado pelos… pasmem… PAULISTAS!!!
E já que está na moda o cinema brasileiro, ainda poderia falar de atores como os cearenses José Wilker, Luiza Tomé, Milton Moraes e Emiliano Queiróz, o inesquecível Dirceu Borboleta, ou ainda do paraibano José Dumont ou de Marco Nanini, pernambucano.
Ah! E ainda os baianos Lázaro Ramos e Wagner Moura, que será eternizado pelo “carioca” Capitão Nascimento, de Tropa de Elite, 1 e 2.
Música? Não, vocês nordestinos não poderiam ter coisa boa a nos oferecer, povo analfabeto e sem cultura…
Ou pensam que teremos que aceitar vocês por causa da aterradora simplicidade e majestade de Luiz Gonzaga, o rei do baião? Ou das lindas canções de Nando Cordel e dos seus conterrâneos pernambucanos Alceu Valença, Dominguinhos, Geraldo Azevedo e Lenine? Isso sem falar nos paraibanos Zé e Elba Ramalho e do cearense Fagner…
E Não poderia deixar de lembrar também da genial família Caymmi e suas melofias doces e baianas a embalar dias e noites repletas de poesia…
Ah! Nordestinos…
Além de tudo isso, vocês ainda resistiram à escravatura? E foi daí que nasceu o mais famoso quilombo, símbolo da resistência dos negros á força opressora do branco que sabe o que é melhor para o nosso país? Por que vocês foram nos dar Zumbi dos Palmares? Só para marcar mais um ponto na sofrida e linda história do seu povo?
Um conselho, pobres nordestinos. Vocês deveriam aprender conosco, povo civilizado do sul e sudeste do Brasil. Nós, sim, temos coisas boas a lhes ensinar.
Por que não aprendem conosco os batidões do funk carioca? Deveriam aprender e ver as suas meninas dançarem até o chão, sendo carinhosamente chamadas de “cachorras”. Além disso, deveriam aprender também muito da poesia estética e musical de Tati Quebra-Barraco, Latino e Kelly Key. Sim, porque melhor que a asa branca bater asas e voar, é ter festa no apê e rolar bundalelê!
Por que não aprendem do pagode gostoso de Netinho de Paula? E ainda poderiam levar suas meninas para “um dia de princesa” (se não apanharem no caminho)! Ou então o rock melódico e poético de Supla! Vocês adorariam!!!
Mas se não quiserem, podemos pedir ao pessoal aqui do lado, do Mato Grosso do Sul, que lhes exporte o sertanejo universitário… coisa da melhor qualidade!
Ah! E sem falar numa coisa que vocês tem que aprender conosco, povo civilizado, branco e intelectualizado: explorar bem o trabalho infantil! Vocês não sabem, mas na verdade não está em jogo se é ou não trabalho infantil (isso pouco vale pra justiça), o que importa mesmo é o QUANTO esse trabalho infantil vai render. Ou vocês não perceberam ainda que suas crianças não podem trabalhar nas plantações, nas roças, etc. porque isso as afasta da escola e é um trabalho horroroso e sujo, mas na verdade, é porque ganha pouco. Bom mesmo é a menina deixar de estudar pra ser modelo e sustentar os pais, ou ser atriz mirim ou cantora e ter a sua vida totalmente modificada, mesmo que não tenha estrutura psicológica pra isso… mas o que importa mesmo é que vão encher o bolso e nunca precisarão de Bolsa-família, daí, é fácil criticar quem precisa!
Minha mensagem então é essa: – Calem a boca, nordestinos!
Calem a boca, porque vocês não precisam se rebaixar e tentar responder a tantos absurdos de gente que não entende o que é, mesmo sendo abandonado por tantos anos pelo próprio país, vocês tirarem tanta beleza e poesia das mãos calejadas e das peles ressecadas de sol a sol.
Calem a boca, e deixem quem não tem nada pra dizer jogar suas palavras ao vento. Não deixem que isso os tire de sua posição majestosa na construção desse povo maravilhoso, de tantas cores, sotaques, religiões e gentes.
Calem a boca, porque a história desse país responderá por si mesma a importância e a contribuição que vocês nos legaram, seja na literatura, na música, nas artes cênicas ou em quaisquer situações em que a força do seu povo falou mais alto e fez valer a máxima do escritor: “O sertanejo é, antes de tudo, um forte!”

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Receba

Receba o meu silêncio,ele é o melhor e o pior de mim.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Fatal

Eu só fico pedindo a Deus que essa distância seja breve. Ficar abraçada com tua ausência está sendo FATAL.

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

c.a.n.s.a.d.a

Eu estou com sono, mas não é sono... É que hoje acordei cansada de viver.


=/

domingo, 24 de outubro de 2010

Amor?!

O amor lhe invandiu os poros, o sentia transbordar a cada respiração.
Sorria o amor, olhava o amor, sonhava o amor... Mas principalmente, vivia o amor.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Frase de (d)efeito


"É preciso muito amor pra te odiar assim"


Desde que li essa frase no livro  Eu Sou o Mensageiro (Markus Zusak), não me saiu mais da cabeça.
E sabe de uma coisa? Faz sentido.

Aliás, eu recomendo a leitura.


sábado, 9 de outubro de 2010

Sentença - X

E se eu disser foda-se você?
Eu to cansada sabe, cansada de me preocupar
De dar importância ao que você pensa...
Suas malditas e falsas palavras
Engole, come, some.
Some com elas, some com tudo.


Fodasetudoquevocêpensaaomeurespeito.

terça-feira, 5 de outubro de 2010

S.a.b.e.r

Eu sei...
Você é o meu lugar.

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

(Sem) Nós

Eu sei, eu sei...
Eu sinto.
Sabemos e não nos somos
Até quando?
E que caminhos são esses?
Escolhemos...
Certas?!
Aparentemente sim.
Na certeza que existe algo
Algo de muito forte
Inexplicável
Tão imenso
Que não conseguimos viver.
E a vida, essa sempre nos da oportunidade do reencontro
E nós? O que fazemos?
Seguimos e deixamos o nosso nós pra trás.

*Intensamente te sinto aqui.

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Quem?

Quem poderá dizer que não foi?
Que não foi amor, que não foi carinho, desejo, cuidado... Quem?
Quem ousa negar os abraços? Os suspiros? As juras ao pé do ouvido.
Você dizendo baixinho: amor, fica comigo.

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Quanta poeira

Ás vezes fico morrendo de vontade de vim aqui, contar as novidades, mas sempre que isso acontece eu não estou com tempo de vim postar, ai acaba que passando batido. Normal, normal... ¬¬ 
Meu blog todo empoeirado e esquecido, hunf!
Hoje aconteceu uma coisa BEM escrota no meu trabalho, mas só em outro momento posto sobre (ou não), até porque é um assunto que demanda um pouco mais de tempo pra ser comentado.

Só um pequeno comentário: "tem gente que se conforma com muito pouco (ou nada)". Isso pra mim é  simplesmente é detestável.  ¬¬

Bom, volto por aqui depois. Agora é hora de receber abraços e beijinhos do  meu amor...rs  #)

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Sentido


E o meu corpo treme quando os teus beijos quentes me encontram,quando a tua boca faminta me devora.
É inexplicável a sensação de ser tomada por você (em todos os sentidos).

Faz sentido, né?!


segunda-feira, 9 de agosto de 2010

De mal

Talvez eu não devesse ficar tão chateada com algumas coisas que andam acontecendo.
Eu já prometi pra mim mesma que não ia me cobrar tanto, me punir tanto. E simplesmente, não consigo. Fico mal e fico de mal, de mim, dos outros, do mundo.
Coisa chata isso! 

=/

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Quero Você

A saudade ta doendo no meu peito
Fiz de tudo não tem jeito
Pra tirar você de mim
Sua boca sussurando em meu ouvido
Sua lingua em meu mamilo
Quero ter você pra mim

Pra que tanta saudade amor?
Vem sentir o meu calor
E deixa o amor nos envolver

Já tentamos tantas vezes separar
Mas não da pra suportar essa falta de você

Vem ficar comigo
Ser feliz não é perigo
Deixa tudo acontecer

Eu te amo e é tão lindo
Tudo isso por você.


*Essa é bem do fundo do baú mesmo, e foi até musicada. ♪ 

terça-feira, 20 de julho de 2010

Presente


Durante nossa caminhada ás vezes somos surpreendidos com coisas boas. Geralmente isso acontece quando menos esperamos, ou quando tudo parece não fazer mais sentido algum.
Você foi uma dessas coisas boas que me aconteceu. E eu só tenho que agradecer por esse encontro.
 Eu acredito fielmente que você é um presente que a vida me deu.

Obrigada por fazer com que eu sinta toda essa paz quando estou ao seu lado.

Te amo, te amo, te amo... E sempre mais!

quarta-feira, 14 de julho de 2010

B.o.b.a

Ás vezes me pego admirando o teu sorriso
que se abre para a mim como num véu bem colorido
tuas cores quentes e frias
transbordam o explendor da perfeição

E eu fico boba!

Dizem por aí que isso é paixão... lalaia lala 

=D

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Só pra constar

Foi 3x1 B.
Ganhei...ganhei... ganhamos!

Há.
=D

terça-feira, 6 de julho de 2010

Só mais um blá,blá,blá...

Como eu queria flor, que a vida não nos fosse assim tão dolorida. Como eu queria um final diferente para uma história que nós mesmos construímos. Saber aonde ir, parar quando preciso, voltar atrás se for o caso. Não deveria ser assim?
Se nos somos assim tão verdadeiramente, porquê não nos cabemos?
Mil vidas flor, mil vidas e eu continuarei tentando.

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Por entre os dedos

Procura-me por entre os dedos
Aquece-me o corpo inteiro.
Deixo-me queimar
No desejo profano de você.
Recebo-te em minha cama
Para que faças moradia dentro de mim
Penetrando-me lentamente
Até o gozo fluir.

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Por falar em viver...


Ela sorrir como quem nada quer
Abraça como se fosse o mundo
Sonha como se fosse fácil
E vive intensamente porque acredita na beleza do esquisito.

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Latim

Diz que tudo foi mentira, que não houve sentimento. Diz que não existiu amor, que tudo foi só fingimento. Sua tolice ultrapassa os níveis da minha tolerância.
Suas concepções equivocadas já nem quero reverter. Não, eu não gastaria o meu latim com você.

sábado, 12 de junho de 2010

Sobre o que sinto

Sabe amor, são tantas as coisas que eu queria dizer. Porém, não encontro uma maneira de dizê-las, e nem sei se consigo. Não do jeito que gostaria.
Eu já te falei que me sinto a pessoa mais feliz do mundo por ter você aqui perto?
O seu cheiro, seu riso de bom dia, sua procura na madrugada... Ah!
Você preencheu todos os espaços vazios. Me resgatou de mim mesma. E com você eu posso ser eu, e gosto de me ser.
Não precisamos ser metade, somos dois inteiros que se amam e se respeitam.
Você me fez querer outra vez. E a reciprocidade do querer é tão doce amor
Ao seu lado eu descubro a felicidade nas coisas mais simples, nos momentos mais inesperados.

Sabe de uma coisa amor?
Eu te amo, e me sinto imensamente grande por isso.

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Fato

Viver a dois não é fácil, mas a tua companhia me é doce.

quinta-feira, 3 de junho de 2010

(In)tocável

Ela não mais o olhava nos olhos. Tinha medo das palavras, das verdades. Ela se escondia dele, mas o tinha dentro de si, inegavelmente.
Ela não o atendia, não o entendia. Praguejava aos quatro ventos. Por ele, por ela, pelo mundo, pelo tempo. Preferiu se fazer esquecida nele. Decidiu sozinha, não perguntou, não quis ouvir.
E assim ela se vai. E vai como sempre. Fisicamente intocável, imperceptível.

*Pobre moça, não sabe que o que vale mesmo é o que se guarda no coração. E Isso ninguém pode levar. Sim?!

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Aconteceu

E finalmente me tomou novamente por entre os braços.

sábado, 22 de maio de 2010

Segundo Lispector...

"Eu não sou tão triste assim, é que hoje eu estou cansada."

                                        (Clarice Lispector)

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Reticêncio-me

E de que base me julgas?
De que amor falas?
São tuas palavras, tuas meias palavras, são elas que não mais me comovem.
E eu já cansei de amores fantásticos. Como as histórias sobre os astros que você me contava. Não me fale mais nada, não me doe mais nada. Hoje eu nem quero saber.
Me deixa sozinha em mim, infinitamente em mim.
Eu cansei de tentar e tentar... A dor do depois já nem posso mais suportar.
A verdade é que você nunca me vê, nunca. E tudo é tão pouco não é?!
Tão pouco de mim, tão pouco em mim... Pouco pra nós. Que nós?!?

Sem mais palavras...

Reticêncio-me!

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Queima


Toca
Geme
Pede
Você, simplesmente me queima!

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Preciso

E quando o mundo inteiro parece querer cair. Eu corro para os teus braços - abrigo.
Me abraça forte agora.
Te preciso mais do que nunca, sim?!


#Minhas mãos ansiosas querem tanto te alcançar.

terça-feira, 11 de maio de 2010

Sourire

Com você, meu riso é pura felicidade - sempre!

domingo, 9 de maio de 2010

Mãe

De quem sou semente. De onde a fonte de amor nunca acaba.
Rainha aqui, só ela.

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Sentença - IX

Hoje a minha falta de ar não é mais pelos seus beijos loucos, é doença mesmo.
Chato, não?!

=/

domingo, 2 de maio de 2010

Tocando na alma

De todo o amor que eu tenho
Metade foi tu que me deu
Salvando minh`alma da vida
Sorrindo e fazendo o meu eu

Se queres partir ir embora
Me olha da onde estiver
Que eu vou te mostrar que eu to pronta
Me colha madura do pé.

                                                                               ♫ (Dona Cila - Maria Gadú) ♫

sábado, 1 de maio de 2010

Interrogações

As rosas de inverno já brotam no meu jardim. Os beijos de primavera se foram de mim, e foi você quem os levou. Não voltarei a tê-los? Ou basta esperar a próxima estação?
Mais uma noite, mais um dia... Quanto tempo mais?
O chato é saber que as respostas se encontram em você,suponho eu.

sábado, 24 de abril de 2010

Transbordar!

É um maremoto de palavras que se misturam, que não saem... Não sei o que faço com elas, não sei o que faço comigo. Bebo mais um gole pra tentar esquecer, esquecer o que nunca deveria ser lembrado, o que na verdade, nem deveria existir. Não quero voltar ao começo de tudo, ao começo do abismo que lutei tanto para sair. Não, eu não quero voltar. Mais um gole, só pra afastar. Mais um gole por mim, outro por você. Sim, também bebo por nós.
Os ruidos querem me ensurdecer, o silêncio me grita verdades que não quero ouvir. O que fazer? Ah meu bem... Se você pudesse, se soubesse... Toma! Bebi um gole também. Chamo o dono do bar? Peço mais uma cerveja? Mando parar a cidade? Decreto algum feriado? Quem sabe...
Não queria pensar nesse meu jeito de dizer e sentir sobre você.
E você em mim não cabe, e te sinto transbordar.
Transbordar...
             dar...
                 ar.

(...)

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Em prantos




Rasga-me o peito em saudades
Não me vens nem em piedade
Não ouves os lamentos meus?
Choro a vagar pela cidade
A procurar os passos teus
Ficaste em mim em cada pedaço
E já não sei mais o que faço
Pra calar os prantos meus
Escrevo-te versos em frangalhos
Palavras de um triste adeus.

sábado, 17 de abril de 2010

Sorrateiro em mim

Escreve em mim tuas linhas singulares
Me olha profundamente com esses olhos verdes-mares
Mergulha infinitamente em minh´alma
Com essa tua serena calma.

Sorrateiro véu
Encobre-me em tuas brumas
Enlaça-me, para que eu nunca fuja
Para que eu nunca me perca da segurança dos teus braços

Sigo teus passos, rumo pr´eu me encontrar
Na certeza, que ao teu lado é o melhor lugar.

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Prumo


O que fazer?
Se é no teu prumo qu´eu me oriento.

domingo, 11 de abril de 2010

Cale a boca


Cale a boca! Saia! Não olhe pra trás, suas mentiras não me iludem mais. Não me venha com esse sorriso, com esse amor de brincadeira. Desista, hoje não caiu mais na sua teia.
Não faço mais parte da sua luxúria, do seu bom divertimento. Cale a boca! Não me olhe, não faça mais nenhum juramento. Suas palavras mentirosas, jogo no rio do esquecimento. Saia! Não encoste mais em mim. Nada em você me soma. Adeus! Melhor assim.

domingo, 4 de abril de 2010

Falta


Sinto falta do cheiro, do beijo, dos seus passos no meu quarto. Falta do calor, de ter você como cobertor.
Essa falta me enche no vazio transbordante do querer.
E eu te quero como louca, loba faminta, cadela no cio. E te quero tanto, tanto.
Essa saudade em mim é um vazio.

quarta-feira, 31 de março de 2010

Pensando em...

*♥*.¸¸.*♥* Formar Dois em Um. *♥*.¸¸.*♥*

sábado, 20 de março de 2010

Estou!

E estar feliz me faz tão bem!!!

quarta-feira, 17 de março de 2010

23 aninhos

Ontem foi meu aniversário, 23 anos, e o tempo passa rápido mesmo, né?! Depois dos 15, tudo passa muito depressa.
Estou feliz com essa nova fase da minha vida, e acima de tudo, estou cheia de expectativas. As metas existem e durante todo o ano vou dá o meu máximo para que elas possam se concretizar.

No mais, eu só desejo milhões de coisas boas pra mim. Ontem, hoje e sempre.

segunda-feira, 8 de março de 2010

Sentido

Porque em mim você faz todo o sentido.

quinta-feira, 4 de março de 2010

Feliz e só.

Bastante tempo que eu não vinha aqui no blog, estava com saudades. Porém, sem tempo nenhum pra ficar na internet, e o melhor, pela primeira vez, eu estava realmente gostando disso.

Nessas ultimas semanas eu tive dias maravilhosos e indescritíveis. Eu quase não lembrava como é impar a sensação de se sentir assim tão feliz.

Valeu a pena toda espera, não foram em vão às noites mal dormidas.

Sabe de uma coisa?! Você é bem mais do que eu esperava - fato.

Feliz...Feliz...Feliz...Feliz!!!

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Bilhete

Ouvi dizer por aí que choras, que te contorces em agonia por uma paz não encontrada. E quantas vezes eu falei que sua alegria é a minha? Logo, sua dor também será.
Não chore minha pequena, isso tudo irá passar, dias melhores virão, pode acreditar.
Quer saber? Eu amo você. Mesmo que você insista em fugir de mim, preferindo se esconder em abraços que não são os meus. Tem mesmo que ser assim? Você aí, tão longe...

Faz assim, quando esse bilhete chegar em suas mãos, liga pra mim.

Um beijo acolhedor,

Thy.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Agonizando

Agonizando...
Meu amor está morrendo
Você não está vendo?
Ele se vai
e me deixa assim
obscuro, perdido.
Não me encontro
Não te toco
Agonizo!
Meu soluço não te alcança
Não te vejo por entre a nevoa que se transformou
as rosas que você não regou
estão morrendo, morrendo em meu peito
Agonizando... e o amor.. vai me deixando.

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Me usa!


Me usa
Abusa
Suga o que de mim sai
De lado, no centro, atrás
Vai!

sábado, 30 de janeiro de 2010

Palavras afiadas


Foi a primeira vez que tuas palavras me cortaram. Emudeci. Não tinha mais nada a dizer. Dentro de mim ecoava a grosseria exposta na tua voz.
Deixei as minhas leituras de lado, já não conseguia me concentrar em mais nada. Perdi a vontade de qualquer coisa. Nem o sono me veio como alívio. E tuas palavras ainda me latejavam a carne. Aí vem essa angustia que invade. Não peça desculpas – não peça. Aliás, não me fale mais nada. Deixa passar... Deixa as horas calar essa voz que grita em mim. Está fazendo um estrondo e é ruim. É ruim demais.

E talvez quando tudo isso passar, eu volte.

K.

#E foi tudo que encontrou ao voltar do seu surto de palavras afiadas.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Traz


Me traz logo essas mãos que dizem tanto querer me abraçar


*É hora de se fazer presente... Aqui!

sábado, 23 de janeiro de 2010

Quando o amor fala mais alto



Foi por amor, filho. Não me condene. Não diga que foi traição. Foi amor simplesmente. E só fazemos justiça quando sentimos amor, e eu sinto tudo isso por você.

A vida daquela moça era menos valiosa que a sua? Ciúme enlouquece, meu bom menino. Você pensou que a mãe dela também sofreria? Eu ainda tenho você. Apesar de tudo, tenho você. Ela não. Ela chora a morte de um sonho, de um pedaço que jamais será preenchido.

Seria injusto filho, te esconder em outra cidade. Enquanto a família da moça chora, por teu ato covarde. Será que eu nada te ensinei?
Lembra que somos responsáveis pelos nossos atos? Se foi impensado da tua parte, se em nada foi um crime premeditado, não importa. Ela se foi. E você a fez ir antes do tempo. Ciúme condena, filho. Amor liberta! E por amor, te liberto para que a justiça seja feita. Mesmo que para isso eu tenha que te entregar para eles.

Teu filho ficou aos meus cuidados. E outro dia, perguntou-me pela mãe. Todas as palavras do mundo pareceram se esconder de mim. Paralisei. Ele é tão pequeno e não entenderia o que nem nós conseguimos. Como tudo pode chegar a este ponto, filho?

O deixei na inocência da infância, ao menos por agora prefiro que seja assim. O processo judicial corre na justiça. A outra avó luta pela guarda dele. Só desejo que seja feito o que for melhor pra ele. Não quero nada pra mim.

Ele me sorri, e por dentro choro por você, por ela, por ele. Ele que perdeu a mãe, você que não vê o crescimento dele, ela que não verá o sorriso dele nunca mais. Esse teu ciúme sem medida destruiu mais coisas que você possa imaginar.

Estou com saudades da tua voz me cantando bom dia. Do teu (bom) humor. Saudades do filho que deixou de ser homem, para se tornar um monstro. Me dói dizer isso, mas foi exatamente o que fizestes. Uma monstruosidade.

Só poderei te visitar daqui a um mês. Antes disso, na tentativa de deixar claro que estarei sempre contigo, te escrevo essas palavras.

Um beijo acolhedor,



Tua mãe.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Solamente


A cama continua vazia. Ela dorme sem abraços e acorda sem sorrisos.

# E onde ficaram as promessas de uma vida a dois?

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

(Es)correndo sentimentos



Escorria-lhe sangue das mãos. Uma lamina afiada estava jogada no chão da cozinha.Quisera se matar e tudo que conseguira fora sujar o chão. O corte lhe ardia o membro. O amor lhe queimava o peito. E no final, tudo era dor. Não sabia onde começava ou terminava, mas era dor. E disso não tinha dúvidas.


Covarde, covarde – era o que dizia a si mesma enquanto tentava fazer o sangue estancar. Não queria sujar toda cozinha. Não queria ter o trabalho de limpar tudo depois. Mas o sangue fluía e o amor lhe doía no peito.

O telefone tocou na sala. Pensou em atender, mas depois lembrou que não queria falar com ninguém. Aliás, não poderia ser nada de importante. Nunca o era. Certamente seria engano. Não quis arriscar em atender. Tinha decidido não ser incomodada, e assim seria.

Sentiu enjôo. Por um instante tudo ficou embaçado. Segurou-se na porta do armário. Não poderia cair. Não ali. Desejou estar perto da cama nesse momento. Respirou fundo. O mal- estar estava passando.

Pegou um pedaço de gaze e enrolou o pulso. Foi para o quarto. Deitou na cama. Se espalhou pelos lençóis, sentiu o cheiro dele e quis gritar. Abafou o grito no travesseiro. Relembrou as duras palavras. A voz dele lhe dizendo que estava indo embora, que não a queria mais. Não deu oportunidade para conversas. Falou o que queria e saiu. Ficou com as perguntas na cabeça. E no coração dela ele cravou um ponto final. Foi injusto – pensou. Nem ao menos sabe o que aconteceu de fato. Ele simplesmente se foi. Foi.

Ela ficou. Ficou desprotegida. Sozinha. Sangrando. O sangue não lhe escorria apenas nas mãos. Sentia o corpo inteiro fluir. E isso lhe doía. E doía muito.

De súbito pensou : - E se fosse ele ao telefone? Se estivesse arrependido?

Não. Não poderia ser. Do contrário teria voltado. Tinha as chaves do apartamento.

E na confusão dos pensamentos, adormeceu.
 
Acordou quando já passava do meio dia. Estava confusa e aos poucos tentava lembrar tudo que tinha acontecido. O pulso ainda latejava. Mas era o coração que mais lhe doía. Tentou chorar, foi em vão. As lágrimas não lhe viam e isso era sufocador. Pensou em levantar da cama, tomar um banho, fazer com que a vida voltasse ao seu curso normal. Desistiu. Na verdade, não queria levantar, e sentiu a mesma vontade de por fim a sua vida. Mas até para isso se sentia covarde. Logo, desistiu dessa idéia também. Ficou quieta. Encolhida como um animalzinho indefeso gemeu suas dores ao travesseiro. Mas ela sabia, que nada disso o traria de volta. Nada.

O telefone tocou mais uma vez. Tocou, tocou... Não atendeu. Não entendeu o porquê tudo isso havia acontecido. Praguejou o amor. O amor que ainda estava aceso em seu peito. O amor que apesar de tão ferido estava vivo. Enquanto ela se sentia morta. Gritou! E o seu grito ecoou por todo apartamento. Socou os travesseiros, a cama, a si. Sentia raiva. Era raiva dele. No entanto, acreditava que a raiva por si mesma era bem maior. Não entendia como ainda poderia lamentar por alguém que por ela não tinha a mínima consideração. Se achou uma idiota. E repetiu essa palavra inúmeras vezes. No minuto seguinte, o amou com mais intensidade. O desejou. Queria os dias de sol outra vez. Mas se sentia chover – e era triste.

Teria se apaixonado por outra pessoa? – pensou. Maldito seja ele! – esbravejou. Desejou dormir mais um pouco. Sentia o corpo tão pesado. Tudo era pesado demais. Se sentiu incapaz. Indefesa. Sentiu-se nada diante de todas as sensações que a envolvia. Ficou horas tentando dormir. Tentando levantar. No entanto, não saia do lugar. Num ato impulsivo e de impaciência, arrancou o curativo que tinha colocado no pulso. Sentiu a dor do ato brusco. Porém, não reclamou. Não demorou muito e começou a minar sangue outra vez. Não se importou. Também tinha o coração aberto e esse sangrava sem parar. Não pensou mais nas dores, não pensou mais no sangue que escorria, adormeceu.

Encontraram-na ainda dormindo uma semana depois. Não se sabe ainda ao certo o que causou sua morte.

Aliás, nada disso importa. Ela se sentiu morrer antes mesmo do corpo padecer. E essa foi a pior sensação.


sábado, 16 de janeiro de 2010

Carta a um amor distante - II





Me faz bem pensar em você. Sonhar com a gente, sonhos tão possíveis. Você me enche de vida, eu já disse? Ás vezes temo me repetir muito. Mas não é por falta de palavras. É que são sentimentos que ultrapassam o sentido delas. E eu te amo tanto – tanto!

O tempo passa tão devagar e tudo que eu mais quero é logo te encontrar. Te abraçar com sorrisos, te beijar com abraços, te sorrir com as vibrações do meu corpo. Quero tanto sentir seu calor no meu. Febre de amor! E eu te amo tanto – tanto!

Que essas palavras te toquem, enquanto minhas mãos ansiosas não te alcançam. Seu amor me ensina a ter paciência e esperar. Logo eu, que sou tão imediatista. Mas por você, esperaria a vida inteira. Que a verdade dos nossos sentimentos seja capaz de ultrapassar as dificuldades, que só nós sabemos que não são poucas. Que esse amor nos una – sempre!


Te espero de coração e braços abertos.


Rosinha.

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

E somos uma



As tuas mãos me chamam, não por só verem a mim, mas por uma confiança que vem de dentro. Que não se mede. E eu te vejo tão frágil, tão minha. Eu que sou tua, que de ti me fiz menina, mulher. E agora nos misturamos. E te cuido como filha, como mãe, como alguém que ama incondicionalmente. E assim o é.


Mãe, mãe... – É a voz que me chama na madrugada.
E te estendo os braços cálidos. E a calma nos vem. E nos misturamos. E nos tornamos uma. E somos uma – no amor.

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Hospital - VI



E finalmente voltamos pra casa hoje. Graças a Deus deu tudo certo na cirurgia e ela segue se recuperando muito bem.
Fica aqui o agradecimento a todos que torceram e torcem pela recuperação dela.



E já devem imaginar o quanto estamos felizes, né???

=)

ps: Em breve o blog volta com as postagens normais. Saudades da blogosfera!

domingo, 3 de janeiro de 2010

Cerveja,cerveja,cerveja


Acho que ainda estou meio bêbada. ¬¬ Não sei se pela quantidade que eu bebi, ou se pelo tempo que eu estava sem beber. Tudo parece girar ainda...rs Eu estava precisando disso, me divertir um pouco, sair do clima tenso de hospital...Aff!


E tenho milhões de coisas pra fazer hoje, só não sei como. Tenho que dá banho no Kliffy (meu cachorro), mas estou com medo de afogar o bichinho no banheiro. Hahahahaha. Essa possibilidade é real hein! =D

Queria almoçar fora (sem condições de ir pra cozinha), alguém me manda um convite? O celular tá ligado. ....esperando.... Liga logo! ¬¬ Que coisa!

Eu vim aqui pra dizer uma coisa que agora nem lembro mais o que era. A culpa não é minha, é do álcool...rs Juro!

Sem mais,
Fui!

Ráááááá.  ^^